Rodrigues ganha e Gonçalves firme em segundo

49

Hélder Rodrigues conquistou hoje o seu segundo triunfo em etapas neste Dakar, e o terceiro para as cores portuguesas. No 2.º posto ficou Paulo Gonçalves, que mantém idêntica posição na “geral” e encurtou distâncias para Marc Coma.
Depois de ontem ter perdido mais de três horas devido a um problema eléctrico após a travessia do salar de Uyuni, Hélder Rodrigues voltou hoje à carga ao melhor estilo, fiel às suas palavras depois do atraso: “O sal deu cabo das motos e estragou tudo. Vou continuar, quero tentar ganhar algumas etapas e ajudar a equipa a terminar com o melhor resultado possível.”
Hoje, ainda na primeira metade do sector selectivo com 450 Km, Hélder Rodrigues já surgia como o mais rápido, ampliando a diferença até final para 3.51 sobre Paulo Gonçalves e 7.34 face a Marc Coma. Nesta conjuntura, Hélder poderá ainda aspirar a um eventual regresso ao “top 10” da “geral”, no qual concluiu todas as suas oito participações anteriores no Dakar.
“No início havia muita areia, puxei bastante mas concentrado para não cometer erros de navegação,” afirmou Rodrigues. “Percebi que ia na frente da corrida e tinha o Paulo atrás de mim. Como não queria fazer pó de modo a evitar que perdesse tempo para o Marc, esperei um pouco e deixei-o passar. Ele depois perdeu-se. Consegui encontrar mais rápido um “way point” e continuei num bom ritmo até ao fim para conseguir ganhar a etapa. ”
Paulo Gonçalves esteve ao ataque, tentando aproximar-se o mais possível de Coma. Chegou a recuperar quase cinco minutos, mas o registo definitivo saldou-se num ganho de 3.43 ao espanhol. Assim, na classificação geral o piloto de Esposende tem agora 5.28 de atraso para Coma, e quando restam por disputar quatro etapas continua na luta pela vitória no Dakar.
“Ataquei desde o princípio, mas a meio da “especial” perdi tempo a encontrar um “way point”. Depois voltei ao ataque,” explicou Gonçalves. “Ainda faltam quatro dias, muitas coisas podem acontecer. Tentarei conseguir o melhor resultado possível. A estratégia consiste em manter a moto em bom estado.”
Menos profícuo foi o resultado de Ruben Faria, que cedeu 34 minutos para o mais rápido e foi 16.º. No entanto, o algarvio averbou 40 minutos de penalização e por isso desceu um degrau na tabela, para o 7.º posto da “geral”.
O início desta etapa entre Iquique e Calama foi pouco produtivo para Mário Patrão, porque após 117 Km já estava a 1h05m do mais veloz. Depois, em ritmo certo prosseguiu até final, acabando a 1h43m do vencedor do dia, mas depois recebeu mais 40 minutos de penalização. Na “geral” segue na primeira metade da tabela, sendo que hoje partiram 93 concorrentes.
A caravana do Dakar reentra amanhã na Argentina com uma etapa de 891 Km, incluindo 371 Km cronometrados.
Classificação geral: 1.º Marc Coma (KTM) a 34h05m00s; 2.º Paulo Gonçalves (Honda) a 5.28; 3.º Pablo Quintanilla (KTM) a 26.52; 4.º Toby Price (KTM) a 31.31; 5.º Stefan Svitko (KTM) a 40.36; 6.º David Casteu (KTM) a 1h31.26; 7.º Ruben Faria (KTM) a 1h41.22; 8.º Laia Sanz (Honda) a 1h54.37; 9.º Ivan Jakes (KTM) a 2h18.31; 10.º Olivier Pain (Yamaha) a 2h36.13; 11.º Hans Vogels (KTM) a 3h12.56; 12.º Hélder Rodrigues (Honda) a 3h18.07; … 41.º Mário Patrão (Suzuki) a 11h40.02; etc.