Enduro fechou época em Souselas

116

Souselas encerrou da melhor maneira o Campeonato Nacional de Enduro – CFL 2024 no passado domingo, sendo antecedida pela terceira ronda do Campeonato Nacional de Mini Enduro – Jetmar.

Com as coroas Elite Geral e Elite 2 já entregues a Julien Roussaly desde a ronda anterior em Tábua, e os Troféus de Verdes Absoluto e Verdes 1 também já garantidos por Fábio Magalhães, não faltaram mesmo assim motivos de interesse na prova que encerrou no passado domingo em Souselas o Campeonato Nacional de Enduro – CFL, uma jornada ganha à geral por Luís Oliveira (Yamaha). Tanto mais que, na véspera, ali se disputava também a terceira ronda do Campeonato Nacional de Mini Enduro – Jetmar, fechando a primeira metade desta competição, com as restantes três provas a integrarem o calendário do Campeonato Nacional de Enduro Sprint – Moto Espinha, que se correrá entre setembro e novembro próximos.
Com a chuva ‘fora de época’ prevista para a região, numa prova cujo percurso tinha sido desenhado para piso seco, a organização tinha na manga a possibilidade de ajustes, o que veio a suceder logo na ronda de Mini Enduro, no sábado, após a chuva da véspera e do próprio sábado ao início do dia. O percurso dos Infantis foi muito mais reduzido que o das restantes classes, por questões de segurança, e durante a prova tudo correu da melhor forma, com o terreno ainda bastante molhado na primeira volta, vindo depois a ficar em excelentes condições. As duas especiais eram muito próximas, de modo que o público conseguiu acompanhar ambas na íntegra, em especial sendo estas encostadas ao Paddock.

Com bastantes pilotos e lutas animadas, nos Infantis a vitória foi para Santiago Pereira (Yamaha), repetindo os triunfos das rondas anteriores. Martim Alves e Luís Ribeiro acompanharam-no ao pódio. Gabriel Xavier foi 4º colocado, com Maria Inês a abandonar devido a queda. Robi Tikkanen (GasGas) ganhou entre os Juvenis, batendo Gustavo Pitschieller e Simão Severino, numa classe animada que já viu três vencedores diferentes em outras tantas provas, enquanto na classe mais concorrida, a de Juniores, Domingos Cunha (Yamaha) voltou às vitórias, à frente de Afonso Cruz e Rui Sousa.
Nas Clássicas, triunfos para António Oliveira (Yamaha) na classe 1, Fábio Magalhães (Yamaha) na classe 2, Manuel Moura (Honda) na classe 3, José Nogueira (Honda) na classe 4 e Nelson Cunha (Honda) na classe 5.

No domingo, para a prova do Nacional de Enduro, a organização teve de atuar face à chuva caída durante a noite, pois o percurso tinha sido preparado para uma época de calor e terreno seco, sendo que o tipo de piso da região torna-se bastante difícil quando molhado. A partida acabou por ser adiada 30 minutos, de modo que o terreno ficasse um pouco mais seco, o que se veio a revelar uma decisão acertada e que fez toda a diferença no desenrolar da prova, havendo também que reajustar alguns pontos do percurso mediante as condições existentes.

Rúben Ferreira

A primeira volta foi um pouco mais difícil, mas com a passagem dos pilotos as condições do piso foram melhorando, com a corrida a desenrolar-se da melhor forma. Ainda assim, as categorias de Verdes, Senhoras, Veteranos, Super Veteranos, Promoção e Hobby, não fizeram a primeira passagem na Extreme Test, por questões de segurança. Na segunda volta, a XT já foi cumprida por Verdes, Veteranos e Senhoras, mas numa versão mais curta, com as restantes classes a não efetuarem esta especial, que era mais delicada com o piso molhado mas que atraiu bastante público, tal como a Cross Test – que tinha sido utilizada no Mundial e onde os pilotos puderam dar um grande espetáculo para o público.

Julien Roussaly

Em termos desportivos, o destaque foi para o ‘deslize’ do líder – e já vencedor – do campeonato Elite, Julien Roussaly (Sherco). Por distração, o piloto francês veio a penalizar 4 minutos por avanço logo no início da prova, a partir daí encetando uma grande recuperação que o levaria ao 3º lugar da geral a 2m08s do vencedor do dia, Luís Oliveira (Yamaha), que conseguia assim o seu primeiro triunfo do ano à geral, a que se somava a vitória (e o título) em Elite 1 com uma vantagem de 1m18s sobre o 2º colocado, Renato Silva (Beta), vencedor em Elite 2.
Também na primeira volta, registaram-se várias penalizações na classe Open, nas zonas mais difíceis, mas a vitória e os títulos Open Absoluto e Open 2 não escaparam a Ruben Ferreira (Beta), com Filipe ‘Taniko’  Oliveira (Beta), ausente por lesão, a conseguir mesmo assim garantir o título em Open 2.

Tomás Rodrigues

Nos Verdes, destaque para a estreia de Tomás Rodrigues (Yamaha) no lugar mais alto do pódio da classe Verdes Absoluto (e Verdes 1), acompanhado ao pódio geral pelos vencedores da classe Verdes 3, Tomás Alves (GasGas), e Verdes 2, Luís Pinto Jr. (KTM). Em termos de Troféu, Fábio Magalhães alinhou na Open, pois já tinha assegurado a vitória em Verdes Absoluto e Verdes 1, Luís Pinto Jr. ‘carimbou’ o triunfo final em Verdes 2 e Bruno Gomes (KTM) garantiu o Troféu de 2024 em Verdes 3.

Vilde Holt

Na classe de Senhoras, vitória e título nacional para Vilde Holt (Husqvarna), à frente de Mariana Afonso e Francisca Henriques. Vitória na prova e no Troféu de Promoção também para Rui Sousa (Fantic), o mesmo sucedendo com Cláudio Belchior (KTM) em Super Veteranos e Manuel Moura (Yamaha) entre os Veteranos.

Finalmente, no que respeita a troféus monomarca, estiveram presentes em Souselas as competições da Beta e GasGas. Com uma lista de participantes recheada, o Troféu Beta viu Marco Vicente vencer entre as 2T e Tony Carvalho triunfar na classe 4T.
Na competição reservada às GasGas, a vitória coube a Tomás Alves.

Rui Sousa

Em setembro, a ação regressa com a edição 2024 do Campeonato Nacional de Enduro Sprint – Moto Espinha!

Fotos: Pedro Meira

 

Artigo anteriorFesta do Supercross arranca em Fernão Joanes
Próximo artigoNacional de Supercross abriu em Fernão Joanes