Flat Track em ritmo diabólico no Algarve

O Troféu Nacional Flat Track terminou com uma muito positiva dupla jornada.

1035

A segunda metade do TNFT resumiu-se a um só evento, em forma de jornada dupla nos dias 23 e 24 de Outubro, na acolhedora e pacata localidade de São Bartolomeu de Messines, Concelho de Silves, Algarve.

E foi debaixo de um clima de “Verão que nunca acaba” que os pilotos e equipas do TNFT foram recebidos na pista de Lavajo, criada de raiz pelo Team Satanás, anfitrião desta última prova.

Apesar do Flat Track parecer simples por causa do traçado da pista ser, por imposição, uma oval, tivemos no TNFT pistas muito diferentes em termos de tipo de piso, geometria, planimetria e extensão. Na pré-época tivemos a belíssima pista de 200 metros  em pó de pedra, com um formato vincadamente circular, onde os pilotos pouco ou nada levantavam a moto da curva. Depois seguiu-se Barcelos a abrir o TNFT com a primeira ronda, com um piso e extensão semelhante mas com rectas mais longas, curvas mais apertadas e um desnível a originar uma recta a descer e outra a subir. Na Póvoa de Varzim tivemos a pista com maior extensão (400 metros) e com piso em saibro. Devidamente abençoada pelo seu padroeiro São Pedro, a pista da Póvoa apresentou um piso perfeito para a prática da modalidade, apesar, ou melhor, devido à intensa chuva nos dias que antecederam a prova. Já no Algarve, tivemos uma geometria muito semelhante à de Barcelos mas sem desnível. A estreia foi mesmo ao nível do terreno com o típico composto argiloso, vermelho vivo, excelente quando seco mas muito escorregadio quando molhada, fazendo assim aumentar o grau de dificuldade de pilotagem e causando pesadelos à organização que tudo fez para manter o piso no ponto ideal entre o seco e o molhado!

A pista de Lavajo destaca-se também pela envolvente, perfeitamente inserida numa zona de cultivo de citrinos. Apesar do nome, o Team Satanás foi de uma extrema hospitalidade, disponibilizando excelentes condições aos pilotos e público, com instalações sanitárias, zonas de público com bancada, serviço de bar e refeições quentes, música ao vivo e mais um par de botas!

Em termos de Troféu, chegamos a Lavajo com o poveiro Ricardo Silva (Team Motogalos) a liderar nas Dirt Bike Pro, seguido de Carlos Sá e José Lima. Na categoria Tracker Pro, o líder era o Fábio Felícia, a desdobrar-se aqui em Lavajo nos papeis de piloto e anfitrião! No seu encalço tinha Ricardo Guerra e Ricardo Pontes, empatados, o que fazia prever uma boa luta! Em Tracker Starter, Maurício Santos liderava sobre Carlos Sampaio, sendo este último seguido de perto por Kevin Matias. Curiosamente, estes três pilotos são provenientes da Póvoa de Varzim sendo amigos fora de pista mas adversários dentro dela! Na categoria Pit Bike / Mini MX, o jovem Rodrigo Falcão chegou ao Algarve com pouca vantagem sobre Carlos Sampaio e o “patife” Francisco Fernandes, que por incompatibilidade de datas, falhou a esta ronda final, deixando a porta aberta para Filipe Torre agarrar o 3º lugar. Estava tudo já muito quente e as corridas que aí vinham prometiam ainda mais emoção.

Nas corridas de Sábado, foi com temperatura elevada para a época que os pilotos se fizeram à pista de barro.

Em Pit Bike / Mini MX, a luta foi intensa. Rodrigo Falcão venceu a primeira corrida com Carlos Sampaio em 2º e Filipe Torre em 3º. Na segunda corrida, Carlos Sampaio fez um bom arranque e agarrou a dianteira da corrida até ao final. Rodrigo Falcão fo 2º e Filipe Torre fez 3º. Na final, Rodrigo Falcão empenhou-se no ataque e venceu. Carlos Sampaio fez novamente 2º seguido de Filipe Torre.

Na categoria Hobby 1, tivemos sempre os mesmos 3 protagonistas a subirem ao pódio. A primeira corrida foi ganha pelo piloto de Sesimbra Mário Patrício (Yamaha YZ125), seguindo de dois algarvios, o Hugo Silva e o André Felícia, irmão do Fábio! Na 2ª corrida de qualificação e final, venceu precisamente o André, tendo ficado o pódio completo com a presença de Mário Patrício e Hugo Silva, alternando entre eles o 2º e 3º lugar.

Em Hobby 2, Tivemos vários pilotos a chegar ao pódio. Na 1ª corrida tivemos o algarvio (conhecido dos seus tempos na Velocidade) Denis Mascarenhas a vencer na sua KTM380SX a dois tempos, seguido do portuense Daniel Cabral, com Domingos Cabrita, mais um piloto local a fechar o pódio. Na 2ª corrida venceu Fernando Marques, de Faro, à frente de Denis Mascarenhas e Daniel Cabral. Na final, Denis Mascarenhas arrancou bem e nunca mais largou a primeira posição. Venceu na frente Fernando Marques e Domingos Cabrita, 2º e 3º, respectivamente.

Animada, como sempre, foram as corridas em Tracker Starter, com Kevin Matias (Motogalos) a vencer as duas primeiras corridas e a somar pontos importantes para o campeonato. Quem se estreou a vencer foi Luís Magalhães com uma vitória sólida na final! Maurício Santos, calculista, jogou a cartada da regularidade e terminou as três corridas em 2º, 6º e 2º. Simão Vidinha e Carlos Sampaio acabaram por conseguir um pódio cada um, com Filipe Torre a arrecadar um 5º lugar na 2ª corrida da tarde.

Em Tracker Pro, o anfitrião Fábio Felícia venceu as 3 corridas da tarde para gáudio do público presente, sendo secundado pelo seu “vizinho” e homónimo Fábio Paias na primeira corrida, seguido de Ricardo Pontes. Ricardo Guerra acabaria por não alinhar na primeira corrida devido a problemas mecânicos na sua Honda 650. Na segunda e terceira corrida, Ricardo Pontes impôs-se a Fábio Paias roubando-lhe o terceiro lugar. Fora do pódio ficou Ricardo Guerra que alinhou com moto gentilmente cedida por Pedro Rodrigues.

Em Dirt Bike Pro, o Motogalo Ricardo Silva “limpou” as três corridas, com Carlos Sá e José Lima a dividirem o 2º e 3º lugar do pódio alternadamente. Sebastian Gil (Clube Motorizado do Troço) acabou por nem sequer alinhar após uma aparatosa queda que o impediu de alinhar, dando ali por terminada a sua participação. O piloto local e estreante José Alves (Team Satanás) e o poveiro Fernando Martins travaram boas lutas pelos lugares fora do pódio.

Os prémios foram entregues pelas mãos de duas mulheres fortes da região, a Presidente da Junta de S. B. de Messines, Carla Benedito e a, também amante das duas rodas, Presidente da Câmara de Silves, Rosa Palma.

No Domingo, a expectativa ainda estava em alta pois ainda tudo estava em aberto nas diversas classes pelo que todos os pilotos estavam com vontade de dar o seu melhor.

A acção começou com a Pit Bike / Mini MX onde Rodrigo Falcão puxou dos galões e venceu as três corridas. Filipe Torre acabaria mesmo por destronar Carlos Sampaio na primeira corrida da tarde. Mesmo sendo amigos e vizinhos, Carlos Sampaio não perdoou e roubou novamente o 2º lugar a Filipe Torre nas duas restantes corridas da tarde. Assim ficaram também as contas do Troféu nesta categoria com Rodrigo Falcão a vencer o Troféu, Carlos Sampaio a levar o 2º lugar e Filipe Torre acabaria mesmo por destronar o ausente Francisco Fernandes, arrecadando assim o 3º lugar final!

Os Hobby 1 também estavam animados. A primeira corrida foi dominada por André Felícia, seguido de Hugo Silva e Mário Patrício. Na segunda corrida tivemos os mesmo protagonistas embora a vitória desta vez tenha sorrido ao piloto de Sesimbra que terminou na frente de André Felícia e Hugo silva. Na final, Mário Patrício voltou a impor-se, aproveitando a ausência de André Felícia devido a uma, não, duas quedas! Em segundo lugar chegou o Hugo Silva e em terceiro, estreante no pódio, o poveiro Tiago Rocha.

Nas Hobby 2 tudo parecia correr de feição a Fernando Marques pois este ganhou a primeira corrida na frente de Domingos Cabrita e Daniel Cabral. Na segunda corrida, uma queda atirou Fernando Marques para o fim da tabela, ficando a vitória nas mãos de Denis Mascarenhas, seguido de Domingos Cabrita e, para completar este pódio algarvio tivemos o estreante Vasco Marques! Na final, a sorte parou mesmo de sorrir e Fernando Marques teve  uma queda violenta que o impediu de prosseguir. Quem capitalizou da melhor forma foi Domingos Cabrita que levou a sua KXF450 ao topo dos 3 degraus, vencendo na frente de Denis Mascarenhas e Daniel Cabral.

Ao rubro estava a Tracker Starter com Maurício Santos e Kevin Matias a repartirem as vitórias nas duas corridas de qualificação. Carlos Sampaio e Simão Vidinha visitaram o pódio à vez. Na final, com apenas 20 pontos a separar Maurício Santos de Kevin Matias, nada estava decidido! Maurício Santos apostou na regularidade e linhas fluídas para arrecadar a vitória na final, sendo acompanhado no pódio por pelo rival directo Kevin Matias e Simão Vidinha, que relegou Carlos Sampaio para o 4º lugar, sendo este seguido por Luís Magalhães e Filipe Torre. Maurício Santos fechava assim a temporada como vencedor da classe Tracker Starter, com Kevin Matias a herdar o 2º lugar de Carlos Sampaio que caiu para 3º.

Fábio Felícia não deixou os créditos em mãos alheias e venceu as três corridas mas não sem antes suar bastante para bater o “revenant” Ricardo Guerra, com a sua moto 100% operacional, sedento de vitórias e o seu conterrâneo Fábio Paias, que imprimiu um andamento muito forte para a sua prova de estreia. Ricardo Pontes acabou por subir ao pódio na final, beneficiando da queda de Ricardo Guerra quando este estava a rodar para além do limite! Fábio Felícia termina assim o Troféu na frente da sua categoria, sendo que o segundo lugar ficou entregue ao Ricardo Pontes, 19 pontos à frente de Ricardo Guerra.

Em Dirt Bike Pro, a categoria de elite da modalidade, sem grandes surpresas, Ricardo Silva voltou a impor o seu ritmo e venceu as três corridas com bastante à vontade, alcançando assim o título de vencedor do Troféu Flat Track, na categoria Dirt Bike Pro. Carlos Sá acabou por beneficiar da ausência de José Lima por lesão e arrecadou três segundos lugares da tarde. O algarvio José Alves estreava-se assim no pódio, com três 3º lugares. O poveiro Fernando Martins fechava as pontuações do grupo com três 4º lugares, finalizando também o Troféu em 4º lugar, entre 11 pilotos em disputa!

Seguimos assim para um período de descanso e preparação até voltarmos às pistas, já sob a nova condição de Campeonato, com algumas alterações a serem esperadas em termos de regulamento e classes. Podemos também adiantar que estarão previstas 5 a 6 corridas com localizações a serem distribuídas por todo o país, com pistas novas a surgirem para fazerem as delícias de quem gosta de andar de lado!

Texto : Eduardo Cabreira

Artigo anteriorTroféus de velocidade fecham ano no Estoril
Próximo artigoEstoril consagrou campeões nacionais e mundiais