António Maio foi o melhor na ‘primeira volta’ a Riyadh

António Maio foi o melhor dos lusos na chegada á capital saudita.

45

Naquela que foi a quinta etapa do Dakar 2022, com início e chegada na capital saudita Riyadh, o dia foi mais uma vez histórico. Danilo Petrucci venceu o dia e tornou-se no primeiro piloto em 44 anos de história do Dakar a vencer nas pistas do MotoGP e agora do Dakar.

Um dia perfeito para o italiano e onde António Maio voltou a ser o melhor português. O campeão nacional TT chegou mesmo a rodar em ritmo que lhe teria aberto o caminho para uma presença entre os dez melhores no final dos 346 quilómetros da especial mas perto do final uma queda levou-o a perder bastante tempo e o piloto alentejano fechou o dia na 16ª posição, ocupando agora o 24º posto da classificação geral da prova.

Num dia marcado por uma forte queda que deixou marcas visíveis no seu corpo, Joaquim Rodrigues desceu um lugar na geral e é agora o 20º e melhor dos pilotos lusos. Rui Gonçalves teve um esperado dia difícil depois do fantástico terceiro lugar no dia anterior e ocupa a 36ª posição da geral após um dia de ‘descoberta’ pois nunca antes tinha enfrentado uma especial sem marcas. Mário Patrão continua igualmente a subir na classificação e é agora o 57º, Alexandre Azinhais é o 72º, Arcélio Couto ganhou uma posição e é o 81º, Bianchi Prata o 105º e Paulo Oliveira o 109º.

A fechar a primeira semana de competição realizar-se-á a sexta etapa do Dakar 2022 com um sector selectivo de 404 quilómetros cronometrados e novamente com partida e chegada na capital do país anfitrião do Dakar. Mais uma vez as dunas fazem parte do percurso e terão uma extensão de cerca de 40 quilómetros.

António Maio

‘A especial estava a correr-me muito bem. A dada altura, num ‘way point’, o Sanders andava perdido e consegui logo encontrar o caminho o que foi muito bom para mim. Ao chegar às dunas caí e a moto ficou com o escape em cima da minha perna junto ao joelho. A minha sorte foi que a moto caiu mesmo em cima da joelheira. Queimei as calças, a joelheira toda e os dedos. Entretanto não consegui sair debaixo da moto e tive que ficar à espera de que o Soultrait chegasse para me ajudar. Depois disto peguei na moto e consegui gerir a corrida até ao final. No entanto, com esta queda perdi muito tempo. De resto senti-me bem durante toda a especial e a navegação correu muito bem o que é um ponto muito positivo.”

Classificação após Etapa 5

20º Joaquim Rodrigues Jr. (Hero) a  – 1h03m02s

24º António Maio (Yamaha) a 1h23m52s

36º Rui Gonçalves (Sherco) a 2h16m29s

57º Mário Patrão (KTM) a 5h30m06s

72º Alexandre Azinhais (KTM) a 7h05m02s

81º Arcélio Couto (Honda) a 8h01m44s

105º Bianchi Prata (Honda) a 10h38m03s

109º Paulo Oliveira (Honda) a 11h14m48s