Rego vinga-se e assegura triunfo na Copa Dunlop Motoval

João Rego foi o vencedor na Copa Motoval

102

Depois de ter dominado os cronometrados, João Rego vinga o desaire da Corrida 1 de sábado com vitória dominadora este domingo no Circuito Estoril.

João Rego foi quem marcou o ritmo ao longo de todo o fim-de-semana, registando o sempre o melhor tempo em todas as tiradas de Superpole e só não garantiu o pleno absoluto devido a um contratempo que ditou o abandono na corrida de ontem, ao cair do pano e quando liderava.

Insatisfeito com tal desaire e aposta em vingar o infortúnio, o piloto da R1 tratou de fazer o acerto de contas na Corrida 2 disputada esta tarde de domingo. O piloto da R1 entrou ao ataque para liderar logo desde a primeira volta e, ao contrário do que se verificou ontem, em momento algum deixou um rival que fosse sentir o que era liderar a corrida.

Aliás, a única altura em que isso podia ter acontecido foi na primeira volta, já que na segunda Rego tratou de cavar um fosso muito significativo para os demais e que acabou por selar o destino da corrida.

Bem diferente foi o panorama no que diz respeito à luta pelas restantes posições do pódio, com cinco pilotos a esgrimirem argumentos ao longo de boa parte das dez voltas. Miguel Romão foi o primeiro a assumir as despesas deste particular, com Henrique Gouveia e Fernando Henriques logo atrás no que foi inicialmente um trio.

Só à quarta volta é que o quinteto ficou completo, com Rui Palma e José Gafenho a juntarem- se à festa após uma partida nada positiva. Palma caiu de quinto para sexto no final da primeira volta, enquanto Gafenho viveu um verdadeiro pesadelo ao cruzar a linha de meta pela primeira vez em 11o depois de ter largado da terceira posição, atrás de Rego e Henriques.

A entrada da corrida na segunda metade fazia-se com alguma acalmia no que toca à troca de posições, com Henriques em segundo, seguido de Palma, Gafenho e Romão, que por esta altura perdia já dois segundos e distanciava-se da luta pelo pódio, enquanto Gouveia se afundava na classificação.

A quatro voltas do final começaram as mudanças que ditariam o pódio. Palma puxou dos galões e atacou para reclamar para si o segundo posto, não mais o perdendo até final. Já Henriques, viu o pódio fugir-lhe por entre os dedos quando, a duas voltas do fim, Gafenho atacou para garantir o mais baixo do pódio.

Artigo anteriorMarco Díaz vence após abandono de Matos
Próximo artigoÀ terceira foi de vez…e Martim Marco venceu