Velocidade fechou época em Portimão

O Autódromo Internacional do Algarve recebeu a derradeira ronda do CNV 2022

563

No fecho de mais um ano desportivo o campeonato nacional de velocidade visitou pela segunda vez em 2022 o exigente e espectacular traçado do Autódromo Internacional do Algarve. Com títulos ainda por decidir em algumas categorias bem competitivas a chuva do primeiro dia ajudou ao ‘tempero’ de um fim‑de‑semana recheado de bons momentos e muita acção em pista.

Com o título já entregue – pelo segundo ano consecutivo – a Romeu Leite, as duas corridas reservadas à classe com motos de maior cilindrada em pista, as Superbike e Superstock 600, foram marcadas não apenas pelas condições climatéricas totalmente distintas mas igualmente pela vitória em termos de classificação conjunta de Marco Diaz aos comandos de uma Superstock 600 face aos adversários com motos de 1000cc de capacidade.

O piloto da Kawasaki ZX6R fechou a dezena e meia de passagens pelos 4592 metros de perímetro do circuito algarvio com pouco mais de dois segundos e meio de vantagem face a Ricardo Lopes, o vencedor entre as Superbike, terminando Romeu Leite no degrau mais baixo do pódio. Na segunda corrida, a fechar o programa deste CNV 2022, Ricardo Lopes lutou até ao final com Romeu Leite pela primeira posição, trocaram de posição por várias vezes mas no final foi mesmo Lopes a assinar a segunda vitória do fim‑de‑semana no que foi também o regresso da Honda ás vitórias no CNV. Romeu Leite fechou a corrida a pouco mais de um segundo na frente de Marco Diaz que com a pista com melhores condiçõs de aderência – a segunda corrida foi cerca de três minutos mais rápida que a primeira – não conseguiu bater os homens das 1000. Já com o título assegurado Pedro Fragoso foi o quarto depois de ter lutado durante metade das quinze voltas com Vasco Esturrado até ao momento em que o algarvio se atrasou de forma irremediável. Estes dois em conjunto com Diaz foram os três primeiros nas 600, sendo o degrau mais baixo do pódio na corrida de Domingo ocupado por Victor Barros, ele que tinha sido o quarto no primeiro dia atrás de André Gonçalves, o vice-campeão na frente de Barros.

Por decidir estava igualmente o título nas Supersport 300 e logo no Sábado Tomás Alonso fechou as contas ao assinar mais uma vitória no campeonato e assegurou o ser terceiro título no campeonato. O piloto de Odivelas terminou as 12 voltas da corrida atrás de Martim Marco, mais uma vez o único a alinhar aos comandos de uma Pré-Moto3, batendo por mais de dez segundos Dinis Borges, envolvido numa intensa luta com Rafael Damásio pela segunda posição na classe e que acabou favorável ao primeiro por apenas três décimas de segundo, ambos destacados de Isaac Rosa, o quinto no seu derradeiro fim‑de‑semana na classe. A segunda corrida foi quase uma cópia da primeira, com Martim Marco a vencer destacado na frente de Tomás Alonso, também a preparar uma nova categoria para o próximo ano, com Dinis Borges a ser desta feita batido por Damásio depois de mais uma vez ambos terem lutado de forma intensa ao longo de toda a corrida. Martim Jesus foi o quinto sobre a linha de meta no final de um campeonato onde Martim Marco venceu nas Pré-Moto3, Tomás Alonso nas SS 300 e Vasco Camoesas foi o ‘rookie’ do ano nas 300.

Nas mas ‘pequenas’ do campeonato a vitória em ambas as corridas foi para Pedrinho Matos, o único aos comandos de uma Moto4, que terminou o primeiro confronto na frente de Alexandre Cabá e Lourenço Vicente, estes no mais numeroso pelotão das Moto5. A segunda corrida viu exactamente os mesmos três nos lugares de pódio no final das nove voltas aos 4592 metros de perímetro do circuito e na entrega de prémios no final da jornada Pedrinho Matos e Lourenço Vicente ergueram o troféu e o orgulho dos títulos aqui conquistados.

No Algarve estiveram igualmente os pilotos da Taça Luis Carreira e no final das dez voltas da corrida de Sábado o vencedor na LC Open foi João Curva na Carlos Pinheiro e Fernando Mercier. Na Open/R foi Augusto Machado o primeiro ao bater Rodrigo Amaral  Bernardo Villar e André Capitão venceu nas LC SBK. Márcio Marques foi melhor que Alex Laranjeira nas LC SS/R. No igualmente presente das Naked o primeiro sobre a linha de meta nas ZCup foi Frédéric Bottoglieri, Sebastien Lager venceu nas Tuono e Duarte Amaral foi o mais veloz nas BMW S1000R.

No Domingo o vencedor nas LC Open foi Carlos Duarte na frente de Fernando Mercier, Rodrigo Amaral venceu e vingou a derrota do dia anterior face a Augusto Machado nas LC Open/R e André Capitão repetiu o primeiro lugar nas LC SBK tal como Márcio Marques nas LC SS/R. Entre as Naked foram novamente os mesmos vencedores na linha de meta, Frédéric Bottoglieri, Sebastien Lager e Duarte Amaral.

A Copa Dunlop Motoval realizou igualmente no Autódromo Internacional do Algarve a sua derradeira prova do ano, com Miguel Romão a vncer na classe 1 na frente de Bernardo Aguiar e Tiago Aguiar. Na classe 2 Hugo Lopes levou a melhor sobre João Rego e Rui Palma. No Domingo Miguel Romão voltou a vencer perante Bernardo Aguiar e Henrique Gouveia na classe 1 e João Rego cruzou a linha de meta na frente de Nelson Cruz e Rúben Macuá na classe 2. Nota ainda para a presença dos pilotos da BMW Cup SBK com vitória de Abián Romero em ambas as corridas.

O campeonato terminou com a habitual entrega de prémios realizada no circuito, consagrando os três primeiros de cada classe antes da habitual Gala dos Campeões que será realizada no próximo dia 10 de Dezembro e onde estarão apenas os campeões nacionais 2022.

Artigo anteriorFIM Europa reunida em Roma
Próximo artigoVieira foi o melhor na Serra da Boneca