Portugal com altos e baixos na Bélgica

Portugueses não tiveram um fim‑de‑semana fácil na 50ª edição do Coupe de L'Avenir

431

Com nove pilotos presentes Portugal foi um dos 13 países que marcou presença na 50ª edição do Coupe de L’Avenir, competição destinada a jovens promessas do motocross.

Pelo sexto ano consecutivo a Federação de Motociclismo de Portugal levou as suas cores até à localidade belga de Quievrain, e entre os cerca de 100 pilotos com idade inferior aos 21 anos estiveram nove esperanças lusas.

Nas MX65 estiveram Duarte Pinto, Francisco Fernandes e Leonardo Gaio; nas MX85 a selecção nacional contou com Bernardo Pinto, Gonçalo Cardoso e Tomás Santos e na Open foram Alexandre Marques, Fábio Costa e Sandro Lobo os ‘mosqueteiros’ de Portugal.

O dia de corridas foi antecedido por uma noite de intensa chuva que deixou a pista em condições bastante exigentes para todos os pilotos, levando mesmo ao cancelamentos das corridas reservadas ás MX65 por questões de segurança.

Nas MX85 a selecção nacional terminou a sua participação na oitava posição e na Open o 11º lugar foi em muito condicionado depois de Fábio Costa ter sofrido uma lesão nos treinos e por força da mesma ter sido impossível o seu contributo para a equipa.

Individualmente Sandro Lobo foi 15º em ambas as mangas Open e Alexandre Marques foi 13º na primeira corrida e 20º na segunda. Nas MX85 Tomás Santos foi o 21º na corrida inaugural- marcada por uma queda e problemas com a sua moto – brilhando na segunda ao assinar um fantástico quatro posto. Gonçalo Cardoso foi 17º na primeira corrida e não terminou a segunda devido a uma quda, o mesmo se passando com Bernardo Pinto na primeira corrida, aqui devido a problemas técnicos, terminando depois a segunda corrida na 22ª posição.

Portugal acabou assim por mais uma vez dignificar as suas cores numa competição histórica e que tem revelado nomes maiores do motocross mundial, como Stefan Everts ou Jeffrey Herlings.

Artigo anteriorMotociclistas lutam para contrariar efeitos da seca
Próximo artigoOs campeões, o alemão estreante e a portuguesa finalista