Paulo Gonçalves brilhante no segundo lugar

98

Paulo Gonçalves conquistou o 2.º lugar no Dakar, após notável exibição. O excelente resultado iguala o de Ruben Faria em 2013 como melhor classificação de portugueses na grande maratona. O algarvio, precisamente, terminou em 6.º e Hélder Rodrigues foi 12.º classificado.
Do trio lusitano que nos últimos anos tem brilhado no Dakar, só Paulo Gonçalves ainda não tinha subido ao pódio. E fê-lo agora, após treze dias em que foi um dos principais protagonistas, mantendo aspirações ao triunfo até final.
Hoje, o sector selectivo foi encurtado de 174 para 101 Km, devido a chuva persistente que deixou o terreno escorregadio e perigoso. Paulo Gonçalves ganhou mais dois minutos a Marc Coma e concluiu o Rali a 16.53 do espanhol. Pelo meio, o piloto de Esposende venceu uma etapa e esteve no pódio em sete das treze disputadas.
“Devo estar contente com o meu segundo lugar,” declarou Gonçalves. “Mantive-me em 2.º ou 3.º durante todo o Rali, houve uma altura em que fiquei na luta com o Marc, a pouco mais de 5 minutos, mas depois com o problema no motor e os 15 minutos de penalização acabei por praticamente ficar fora dessa luta. Mas tenho de estar contente por mim e pelo trabalho da equipa HRC. Acho que tenho os melhores colegas do mundo, se não fossem eles possivelmente não poderia estar aqui agora a comemorar.”
Ruben Faria conquistou mais um expressivo desempenho nesta competição, ao ser 6.º classificado. Resultado deveras positivo, pois Ruben iniciou a acção após dois meses de convalescença de uma clavícula fracturada, o que naturalmente afectou a sua preparação para esta prova.
Hélder Rodrigues iniciou o Rali engripado, mas foi o problema eléctrico registado na oitava etapa que ditou mais de três horas de atraso e a impossibilidade de terminar pelo menos no “top 10”, ele que ganhou duas etapas. Hoje, ele e Barreda aguardaram na pista mais de meia hora por Paulo Gonçalves, para escoltar o seu colega de equipa durante o troço. Só por isso Rodrigues ainda baixou um degrau na “geral”, chegando a Buenos Aires na 12.ª posição.
Outros dados interessantes deste Dakar 2015 são a quinta vitória de Marc Coma, o 3.º lugar obtido por um estreante na prova, o australiano Toby Price, e o 4.º posto do chileno Pablo Quintanilla, que tinha desistido prematuramente nas duas anteriores participações. E claro, o melhor resultado absoluto de sempre alcançado por uma senhora, a espanhola Laia Sainz, que chegou a Buenos Aires na 9.ª posição. Terminaram 79 concorrentes, quase metade dos 161 participantes em moto.
Classificação geral final: 1.º Marc Coma (KTM) a 46h03m49s; 2.º Paulo Gonçalves (Honda) a 16.53; 3.º Toby Price (KTM) a 23.14; 4.º Pablo Quintanilla (KTM) a 38.38; 5.º Stefan Svitko (KTM) a 44.17; 6.º Ruben Faria (KTM) a 1h57.50; 7.º David Casteu (KTM) a 2h00.14; 8.º Ivan Jakes (KTM) a 2h18.18; 9.º Laia Sanz (Honda) a 2h24.21; 10.º Olivier Pain (Yamaha) a 3h09.09; 11.º Hans Vogels (KTM) a 3h31.50; 12.º Hélder Rodrigues (Honda) a 4h00.15; etc.