26º Lés-a-Lés – Etapa 3: da Covilhã a Penafiel

1125

Em dia de eleições para o parlamento comunitário, foram os cidadãos europeus presentes no 26.º Portugal de Lés-a-Lés os grandes ganhadores. Vitória esmagadora que valeu maioria absoluta no capítulo da diversão como no gozo na condução, do usufruto das paisagens aos locais visitados. E numa jornada que ligou a Covilhã a Penafiel, ao longo de pouco menos de 400 quilómetros, ficam na memória as receções fabulosas com que foram brindados os participantes. Muitos portugueses, mais de 1500, a que se juntaram espanhóis, suíços, belgas, franceses, alemães, italianos, lituanos, brasileiros e indianos. Bafejados por um clima ameno, sem o calor intenso ou as grandes chuvadas dos últimos anos.

(Podem aceder ao álbum de fotos desta 3ª etapa na página de Facebook da Federação de Motociclismo de Portugal, ou diretamente AQUI)

Os sorrisos rasgados na chegada ao último dos palanques, emoldurado por enorme multidão, foram a prova mais evidente do estrondoso sucesso da aventura organizada Federação de Motociclismo de Portugal. Mas o empenho exigido por mais de 11 horas de condução também estava bem visível! Aliás, o aviso estava escarrapachado logo na primeira das 20 páginas do ‘road-book’ da 3.ª etapa. Não deixava grande margem para dúvidas e deveria ser levado muito a sério! Assim, como que cumprindo o dito popular de que o ‘rabo é o pior de esfolar’, o remate deste Lés-a-Lés obrigou a trabalhos forçados, num percurso lindíssimo, mas praticamente sem uma reta para descansar os braços.

Arredondar pneu foi o lema do último dia da maratona mototurística e os elementos da Comissão de Mototurismo não deixaram créditos por mãos alheias. Desde bem cedo, logo na travessia do mais imponente maciço montanhoso do território continental, a caravana começou por abordar as curvas até aos 1500 metros de altitude da Nave de Santo António, o ponto mais alto deste Lés-a-Lés. Um até já aos Lobos da Neve, recordando o local onde foram feitas as primeiras concentrações covilhanenses antes ainda do nascimento do Moto Clube da Covilhã, no Sanatório dos Ferroviários, criado para mitigar os efeitos da tuberculose nos trabalhadores dos caminhos de ferro. Agora transformado em elegante e acolhedora Pousada que viu os mototuristas passarem rumo a Manteigas, entrando num dos concelhos com a floresta mais bem preservada em Portugal, onde não faltam teixos, castanheiros, faias, plátanos, lariços-europeus e cedros-do-Oregon.

Para fugir à confusão gerada pelas obras na N338, a conhecida estrada do Vale Glaciar, a opção passou por um caminho não asfaltado, sem pó e com boa tração, obrigando apenas a velocidades ligeiramente mais reduzidas mas que permitiram apreciar mais serenamente paisagens de cortar a respiração. A Estrela continua a surpreender mesmo aqueles que por lá passaram muitas vezes, incluindo os que já conheciam a espetacular cascata do Poço do Inferno. Onde as águas da ribeira de Leandres se despenham numa queda de mais de 10 metros pelas corneanas, essas formações rochosas criadas pelo contacto da água ao longo de milhares de anos. E cuja beleza mais evidenciou a estreiteza do local, criando um engarrafamento digno da hora de ponta de qualquer grande cidade.

O dia de todos os lobos

Daí até Manteigas, foi um instante para aproveitar a frescura do rio Zêzere, no Parque da Várzea, ainda nos primeiros dos mais de 200 km quilómetros da sua caminhada até ao Tejo, onde desagua próximo de Constância. É o segundo maior rio nascido em território português, após o Mondego, curiosamente cruzado poucos quilómetros depois, e alimenta três barragens de elevada produtividade energética. E onde um dos quatro totalistas, com presença carimbada nas 26 edições, o ex-autarca de Lamego, Ângelo Moura, fez um balanço sucinto, mas extremamente esclarecedor. “Esta foi a melhor edição da última década e, talvez, uma das melhores de sempre. O percurso escolhido foi fabuloso e o tempo ajudou e muito!”

Meteorologia que não podia ser melhor para a prática da modalidade, com temperaturas a rondar os 20º C durante o dia, ainda que ligeiramente mais frescas no arranque madrugador da Covilhã. Com o Norte no horizonte, assinalou-se o regresso a uma estrada utilizada há 20 anos, no 5.º Lés-a-Lés, até Folgosinho, desfrutando das belezas da Serra da Estrela antes da entrada no granítico planalto beirão via Fornos de Algodres. Um sobe-e-desce numa estrada de asfalto a brilhar de novo e com mais paisagens deslumbrantes, entrecortado pela despedida aos entusiastas elementos do MC Covilhã Lobos da Neve. Que, para pastores experimentados, mostraram alguma falta de jeito, tendo perdido o rebanho algures nas serranias…

Continuando envolvido por uma paisagem de bucolismo reforçado por algum nevoeiro, entre verdejantes pastagens e o cinzento granítico, o pelotão encontraria, logo de seguida, dois marcos importantes desta tirada: a divertida Estrada das Beiras (N17) e, de novo, o rio Mondego. Para, por entre aldeias briosas pontilhadas por casas de pedra de aspeto senhorial, encontrar o mais rápido caminho para Aguiar da Beira. Vila de grande imponência história, onde não faltam pelourinhos, torres ameadas ou a torre do relógio além da igreja da Senhora da Lapa e a frincha entre dois penedos onde só cabe quem não tenha cometido pecados. Que, acabou por não ser visitada, obrigando a um ligeiro desvio que acabaria por ser aceite pelos mototuristas. Afinal, o Oásis instalado em Moimenta da Beira, Capital da Maçã de Montanha e terra de adoção de Aquilino Ribeiro.

Junto ao grupo escultórico que homenageia o escritor nascido em Sernancelhe (Viseu) e que aos 10 anos foi viver na aldeia moimentense de Soutosa, o pelotão foi surpreendido com uma enorme festa mesmo em frente aos Paços do Concelho. Onde nem faltaram os grupos de concertinas Vale do Távora e a Orquestra CemNotas para animar o grupo antes da descida panorâmica para Tabuaço, descobrindo as primeiras vinhas da mais antiga região demarcada vitivinícola do Mundo. E onde alguns motociclistas ficaram presos pela passagem do pelotão de ciclismo profissional que por ali disputava o Grande Prémio do Douro Internacional. Mas podem ficar contentes porque protagonizaram uma verdadeira estreia. É que esta foi a primeira vez, em 26 anos sublinhe-se, que o Lés-a-Lés foi parado por uma corrida de bicicletas!

Escritores e eleitores… em mobilidade

Com a grande aventura a aproximar-se do final, tempo para novas serranias, com a descida até vale do rio Távora, para o Oásis em Tabuaço. Onde mais música, desta feita com o grupo de concertinas de Távora, animou o bailarico, rápido mas intenso. Porque havia que continuar a descida ao Pinhão, aproveitando apenas 3,4 km de N222 mas exatamente no sítio mais interessante do ponto de vista paisagístico. E ali registaram-se, sem grande surpresa,  as temperaturas mais elevados do dia, ainda assim com frescos 27.º C, bem longe dos 47,5.º C que valem o recorde de temperatura máxima em território nacional.

Mas o Portugal de Lés-a-Lés não vive só de paisagens e trata de evidenciar o lado cultural do nosso País. Assim, depois de José Saramago, em 2023, e de Aquilino Ribeiro em Moimenta da Beira, viria ainda a homenagem a Miguel Torga. Na subida a Sabrosa, com paragem no miradouro com o nome do autor, de onde é possível desfrutar de uma vista excelente sobre a Foz do Pinhão, e logo de seguida em São Martinho de Anta, terra do médico-escritor. E onde alguns participantes foram à Junta de Freguesia para exercer o seu dever cívico, fazendo uso da possibilidade de voto em mobilidade para as Eleições Europeias.

Rumo a novas serranias, a caravana atravessou Vila Real, em passo de corrida, mas com tempo para vislumbrar a montagem do famoso Circuito Internacional, que, no último fim de semana de junho, recebe a 52ª edição das corridas de automóvel. Sem tempo a perder, seguia-se a Serra do Alvão, onde o nevoeiro roubou alguma da espetacularidade do Parque Natural, mas criou um ambiente místico patana passagem por Lamas de Olo, ajudando a perceber o que são os lameiros, não terrenos cheios de lama, mas sim prados irrigados com engenhosa rede de distribuição de água para rega, impedindo a formação de gelo.

Procissões e outras aventuras radicais

Mas o Portugal de Lés-a-Lés é uma verdadeira caixinha de surpresas e os imprevistos, mesmo os bem organizados, podem acontecer ao virar qualquer curva. Ou mesmo numa reta! Como ter a estrada cortada por uma procissão dedicada a São Galo, organizada pela Comissão de Festas dos Moto Galos de Barcelos, contando com a presença de sua Eminência, o Bispo, e com música a condizer. Um espetáculo de imaginação e empenho dos moto clubes que reforça o caráter único do Portugal de Lés-a-Lés, criando forte animação onde menos se espera. E que, além de saciar o apetite os estômagos, alimentam a alma com enorme animação.

A comida, essa estava mais à frente, em Cavez, com Oásis montado nas margens do Tâmega, exatamente onde desagua o a afluente ribeira de Moimenta. As bifanas e a prova de vinho verde (só uma amostra, como convém a quem conduz!) reforçaram o ânimo para seguir viagem pela excelente N205, rumo à Póvoa de Lanhoso ao extremo norte deste Lés-a-Lés. Pelo meio, poucos foram os que repararam, à passagem por Rossas, num dos mais antigos museus nacionais dedicados à história das duas rodas e que merece uma visita.

Que ficou para próxima ocasião porque, agora, estava marcada a visita ao fabuloso parque de atividades radicais DiverLanhoso, espaço com 170 hectares de área e um ‘slide’ de 350 m. Que ninguém pôde experimentar, até porque mais uma dose de adrenalina aos participantes no Lés-a-Lés poderia deixar marcas…

Bombeiros na festa do castelo e ajuda divina

Com Penafiel cada vez mais perto, a passagem por Guimarães revelou outro momento alto desta edição do Portugal de Lés-a-Lés. É que, se fora de casa Os Conquistadores fazem o que fazem, com inesquecíveis controlos, era fácil adivinhar a dimensão da festa dentro de portas. Uma simples fotografia com o castelo como pano de fundo foi suficiente para montar uma enorme festa, com toda a corte real e um presidente (Gaspar Marques) disfarçado de cavaleiro do reino. Às fotografias e à música acompanhada pelas damas da corte, juntou um camião-grua dos bombeiros, chamados de urgência para salvar… um ‘drone’. Obra e graça do cidadão brasileiro Lucenildo Alexandre Azevedo que, a cumprir a estreia no evento, queria registar tudo até ao mais ínfimo pormenor. Verdadeiramente eufórico, garantiu que vai voltar “depois de legalizar a Triumph Tiger 1200 que trouxe do Brasil, em 2019”. Cuja matrícula dava bem nas vistas, até pela raridade face às espanholas, francesas ou outras…

E que, tal como muitos dos estrangeiros presentes, ficou espantado com receções como a que aconteceu em Vizela. Onde descobriu o sabor do tradicional bolinhol, oferecido no jardim do Parque das Termas, criado entre 1884 e 1886 e que possui uma quantidade de árvores gigantes como nenhum outro parque ou jardim português. Verdadeiro pulmão da cidade (desde 1998) que é Rainha Termal de Portugal, cujas termas remontam ao tempo dos romanos e onde começou a ser feito o balanço de mais uma presença no Portugal de Lés-a-Lés, pensando na chegada a Penafiel depois de fazer tantas horas de condução como aquelas que dariam para chegar até à capital Dinamarca, Copenhaga. E, com a bênção da Senhora do Sameiro, atravessar o palanque de chegada numa edição que cumpriu as promessas de exigência, para motociclistas aventureiros e rijos, independentemente da máquina utilizada. É que o Lés-a-Lés continua a ser uma aventura para todas as motos, mas não para todos os motociclistas… A prova mais evidente é que os participantes aproveitaram mais do que nunca, os serviços da equipa Osteomotus para colocar os músculos no sítio e garantir uma viagem tranquila até casa. Que só aí termina a grande aventura!

O Gabinete de Imprensa
Portugal de Lés-a-Lés

Artigo anterior26º Lés-a-Lés – Etapa 2: de Évora à Covilhã
Próximo artigoUm regresso animado do CNV ao Estoril