Lés-a-Lés Off Road rende homenagem a pilotos TT

429

PilotosLés-a-LésOffRoad01

Mário Patrão e Pedro Bianchi Prata cumprem mais uma etapa de preparação para a presença no Rali Dakar, com a participação no 1.º Portugal de Lés-a-Lés Off Road, aventura que, até sábado, liga Bragança a Lagos por caminhos fora de estrada. Os dois dakarianos vão rolar nos mais diversos tipos de piso na companhia de enduristas como Paulo Marques, Bernardo Villar, Rodrigo Amaral, António Lopes, António Oliveira, João Lopes, Miguel Farrajota e João Rosa. Pilotos homenageados pela Federação de Motociclismo de Portugal durante o jantar de boas-vindas aos participantes do inovador passeio, onde a busca do prazer de condução e descoberta paisagística são troféus maiores.

Figuras de enorme relevo no desporto motociclístico das últimas décadas, com inúmeros títulos nacionais de Enduro e Todo-o-Terreno, mas também de Motocrosse e Supercrosse além de diversas presenças no mítico Rali Dakar, os vários pilotos presentes na aventura que desde hoje e até sábado liga Bragança a Lagos, com passagem por Termas de Monfortinho e Moura, ofereceram brilho especial à estreante versão Off Road do bem-sucedido conceito mototurístico Portugal de Lés-a-Lés. Sempre prontos a apoiar os mais de 150 aventureiros, tiveram ainda tempo para apreciar paisagens únicas «que normalmente não há tempo para ver em competição», como referiu Paulo Marques, bem como para «fazer um interessante treino de navegação, com leitura de road-book e GPS» (Pedro Bianchi Prata) ou «conviver de forma muito descontraída e divertida com pilotos e ex-pilotos que, ao longo da carreira, foram transformando-se de adversários em bons amigos (António Oliveira).

O 1.º Portugal de Lés-a-Lés Off Road, evento inovador no panorama mototurístico internacional, arrancou hoje, quarta-feira, de Bragança, cumprindo ligação de 330 quilómetros até Termas do Monfortinho, prosseguindo na sexta-feira até Moura, com etapa de 360 km, dos quais cerca de 200 km serão cumpridos em estradões de terra, terminando no sábado, com chegada a Lagos depois de 265 km através da planície alentejana e serra algarvia. Proposta de aventura de descoberta e prazer de condução, de gastronomia e convívio, emoldurada por deslumbrantes paisagens, em passeio mototurístico por todo o tipo de caminhos (que não uma corrida ou sequer evento de cariz desportivo!) delineado pela Comissão de Mototurismo da Federação de Motociclismo de Portugal para todo o tipo de motos, desde as mais leves máquinas de enduro/lazer às grandes maxi-trail.