Lusos registem a um Dakar marcado pela dureza

No final do seu quarto dia de prova o Dakar 2023 continua a contar com o quinteto luso em prova.

103

Um dia depois de Sebastian Buhler ter conseguido o seu primeiro pódio numa etapa do Dakar os cinco representantes lusos na prova saudita continuam a ultrapassar as dificuldades desta 45ª edição da grande maratona TT.

Na chegada a Ha’il, onde terminou a Etapa 3 da prova, o melhor dos pilotos lusos foi Joaquim Rodrigues que aos comandos da sua Hero fechou os 447 quilómetros da especial na nona posição da geral. Sebastian Buhler viu o seu dia condicionado por uma queda perto do final e perdeu tempo e posições para a concorrência e terminou mais atrás a jornada, atrasando-se igualmente na classificação geral, sendo agora o 13º da geral, mesmo assim o melhor dos pilotos portugueses na frente de Rodrigues que é agora o 16º.

Rui Gonçalves tem vindo a recuperar posições depois de um problema com a embraiagem com a sua moto o ter condicionado no segundo dia de prova e da 40ª posição que então ocupou recuperou já até ao 23º posto, mesmo assim atrás do regular António Maio que está na 19ª posição, o que deixa três pilotos com as cores de Portugal nas 20 primeiras posições.

O dia desta Etapa 3 ficou marcada pela neutralização da mesma no terceiro CP devido a uma forte chuvada que fez ‘nascer’ rios com forte caudal e surpreendeu muitos pilotos – em especial os homens das quatro rodas – mas Mário Patrão continua a lutar pelo pódio da Original by Motul e fechou o dia na 43ª posição da geral.

O Dakar continua assim a revelar-se bastante exigente e ao final de quatro dias revelou já quatro vencedores distintos, sendo agora o australiano Daniel Sanders o primeiro classificado, ele que venceu os ISDE em Portimão em 2019.

Artigo anteriorJoaquim Rodrigues abre Dakar em sexto
Próximo artigoDakar ‘trama’ portugueses