FIM Superside decide-se no Estoril

A última prova do FIM Superside terá como cenário o Circuito do Estoril.

288

Palco das mais prestigiadas competições em duas rodas ao longo dos seus 47 anos de história, o Circuito do Estoril recebe nos próximos dias 19 e 20 de Outubro uma das poucas disciplinas que nunca evoluíram de forma oficial no asfalto do técnico e exigente circuito ás portas de Lisboa.

O FIM Superside, ou campeonato do mundo Side Car, vai evoluir pela primeira vez nos 4.182 metros da pista nascida em 1972 e por onde passaram os mais importante e carismáticos eventos de cariz mundial como o MotoGP, Superbike, Endurance ou mais recentemente o Mundial Júnior Moto3 que esteve no traçado no passado mês de Abril.

Desconhecido da grande maioria dos portugueses o FIM Superside é um dos mais espectaculares e exigentes campeonatos sob a égide da Federação Internacional de Motociclismo e no mesmo competem chassis equipados exclusivamente com motores a quatro tempos, 4 cilindros e 600cc de capacidade, motores esses que têm que estar homologados pela FIM para as classes Supersport/Superstock. Ao invés de serem conduzidos apenas por um piloto, no Superside são dois os ‘pilotos’ que em conjunto procuram levar ao limite e ás vitórias as suas máquinas e onde o equilíbrio do passageiro – ou macaco como é denominado a gíria – é preponderante para a rápida progressão do conjunto, numa ‘dança’ de rara beleza estética e única no desporto motorizado.

Desportivamente o FIM Superside tem seis paragens no seu calendário, algumas com corridas duplas, sendo a primeira mais curta, com o nome de Sprint Race e a segunda mais longa com o nome de Gold Race. No caso do Circuito do Estoril a primeira terá um total de 10 voltas e a segunda será realizada com 17 voltas ao traçado.

Sendo a última etapa do calendário o Circuito do Estoril irá decidir o título 2019 na disciplina numa luta que irá envolver as três equipas que já venceram este ano lideradas por Tim Reeves e Mark Wilkes com escassos 12 pontos sobre os irmãos Ben e Tom Birchall, estes seguidos pelos finlandeses Pekka Päivärinta e Jussi Veräväinen. Os primeiros já venceram por quatro ocasiões em 2019 e são os que mais vitórias alcançaram face às três dos Birchall e apenas uma para os nórdicos.

Na ronda anterior, realizada em Grobnik na Croácia as vitórias foram divididas entre os Birchall e Reeves, com a curiosidade de ambos terem igualmente abandonado na corrida que não venceram e com 50 pontos ainda por atribuir tudo está muito aberto quando a um título que Tim Reeves já conquistou por cinco vezes (2005-06-07 / 2012 e 2014) conquistas ás quais se juntam dois títulos em 2014 e 2015 na Taça F2 quando competiram lado a lado os 1000cc e os 600cc, sendo a F2 destinadas aos motores com menor cilindrada). Os irmãos Birchall já foram campeões do mundo por três vezes, a primeira em 2009 e as restantes nos dois últimos anos, 2017 e 2018, sendo que em 2016 venceram a F2. Pekka Päivärinta tem cinco títulos no seu palmarés, com a particularidade do ceptro em 2016 ter sido conquistado com Kirsi Kainulainen a seu lado, naquele que foi o primeiro título mundial na história do motociclismo conquistado por uma mulher.

No Estoril estarão quase duas dezenas de Superside na etapa de todas as decisões da categoria que pela primeira vez compete em Portugal. Velocidade, acção e muita adrenalina não vão faltar ao longo de um fim-de-semana que marcará mais um momento histórico para o Circuito do Estoril.