Coupe de l’Avenir 2019: Lusos regressam ao pódio

Os portugueses voltaram ao pódio do Coupe De L'Avenir

408

Reservado aos pilotos mais jovens o Coupe De L’Avenir levou no passado fim‑de‑semana até Baisieux na Bélgica mais de uma centena de pilotos representando um total de 13 nações. Com três classes em pista as cores portugueses fizeram-se representar por nove pilotos, cabendo a Tomás Santos, Bernardo Pinto e Rodrigo Barros a participação nas 65cc; Sandro Lobo, Martim Espinho e Afonso Gomes a defesa de Portugal nas 85cc e na Open o trio português foi composto por Abel Carreiro, Alexandre Marques e Renato Silva.

Com o apoio da Motoni, Polisport, AQD e ENI o Portugal Motocross Junior Team enfrentou com natural ambição esta 48ª edição da prova onde o terceiro lugar nas 85cc tinha sido o melhor resultado de sempre dos pilotos nacionais nesta importante prova do motocross europeu, este ano realizada debaixo de condições exigentes do ponto de vista fisico e técnico devido à chuva que se fez sentir ao início do dia de corridas que condicionou especialmente as primeiras mangas.

Entre o pelotão das 65cc a formação portuguesa fechou a contabilidade com o 10º posto final, um resultado muito positivo tendo em conta que os pequenos pilotos (Tomás Santos, Rodrigo Barros e Bernardo Pinto) fizeram a sua primeira participação no Coupe De L’Avenir. Tomás Santos foi 21º e 20º respectivamente na primeira e segunda manga, sendo que na primeira teve que recuperar posições perdidas depois de um mau arranque. Rodrigo Barros foi 25º na primeira corrida e 28º na segunda enquanto que Bernardo Pinto, a competir pela primeira vez fora da fronteira de Portugal, foi 31º na primeira corrida e 27º na segunda, sendo que a corrida inicial foi aquela mais marcada pela lama em pista.

Se os mais pequenos do pelotão cumpriram apenas duas mangas, os restantes pilotos, 85 e Open, tiveram que enfrentar um total de três corridas para decidirem o escalonamento final deste Coupe De L’Avenir 2019. Entre os mais velhos, classe Open, tinham que tentar melhorar o 13º lugar conseguido pela equipa nacional no passado ano e no final esse objectivo foi plenamente ultrapassado ao fecharem as contas na 7ª posição final. Aos comandos de uma 125cc com motor dois-tempos Alexandre Marques foi 13º, 14º e 17º em cada uma das mangas, condicionando o resultado apenas na derradeira quando não assinou um bom arranque. Renato Silva teve igualmente prova de esforço naquela que foi a sua segunda visita à prova. Foi 21º, 20º e 22º respectivamente na primeira, segunda e terceira manga, sendo que o terceiro elemento da equipa, o igualmente estreante Abel Carreiro, o 31º na primeira e segunda mangas, para concluir na 26ª posição a derradeira corrida.

Em grande destaque estiveram os ‘endiabrados’ miúdos das 85cc a caminho da reedição do terceiro lugar de 2016. Sandro Lobo por pouco não conseguiu a primeira vitória de sempre no Coupe De L’Avenir ao liderar quase toda a segunda manga, perdendo a vitória bem perto do final da corrida, mesmo assim segurando um brilhante segundo posto final. Tinha sido 10º na primeira corrida e fechou a sua participação com um 19º posto final. Afonso Gomes esteve igualmente em destaque ao ser o quarto na primeira corrida – arrancou em oitavo – fechando depois as corridas seguintes na 12ª e 17ª posições. Já Martim Espinho, que fechou a sua presença na Bélgica com o melhor arranque na derradeira corrida, foi 15ª, 23º e 10º ajudando o Portugal Motocross Junior Team a regressar ao pódio das 85cc, o que aconteceu pela segunda vez na história da prova belga.

Um resultado fantástico para os jovens pilotos portugueses que mais uma vez mostraram todo o potencial do motocross nacional numa prova além-fronteiras realizada em condições muito exigentes mas onde os portugueses mostraram toda a sua ‘alma’ de guerreiros e vontade de vencer.

RESULTADOS

65cc
1º Bélgica com 32 pontos
2º Letónia com 39
3º França com 47
4º Grã-Bretanha com 52
5º Alemanha com 65
10º Portugal com 121

85cc
1º Bélgica com 24 pontos
2º Suécia com 49
3º Portugal com 70
4º França com 95
5º Grã-Bretanha com 103

Open
1º Noruega com 37 pontos
2º Suécia com 44
3º Bélgica com 61
4º Grã-Bretanha com 67
5º França com 72
7º Portugal com 133