Miguel Oliveira mostrou-se em Jerez

454

OliveiraJerez
Depois da melhor qualificação de sempre em Moto2, Miguel Oliveira estava a fazer a sua melhor corrida na categoria intermédia do Moto GP quando sofreu uma queda na 4ª etapa do Campeonato do Mundo. Depois de um excelente arranque, e de ter segurado a sua posição nos primeiros minutos com tantas lutas a acontecer, o piloto português conseguiu seguir na frente de pilotos tão experientes como Thomas Luthi ou mesmo do campeão da categoria. E pouco a pouco, foi subindo até chegar à 6ª posição que conseguiu segurar durante praticamente toda a corrida de 27 voltas. E foi apenas quando faltavam 6 para o fim da corrida, na curva 4, que o português da Lepard Racing perdeu a frente da sua Kalex.

“Sabia que ia ser uma corrida muito dura, e apesar de saber que tinha o ritmo para poder estar na frente, não estava à espera de estar tão à frente. A seis voltas do fim percebi que não iria conseguir chegar muito mais à frente, o meu ritmo estava muito constante, e decidi não arriscar mais. E depois cometi um erro na curva 4 quando faltavam 6 voltas para terminar a corrida. Perdi a roda dianteira e não consegui segurar mais e isso levou-me a cair. Ainda assim tive uma corrida muito boa, com as primeiras voltas muito agressivas, como anteriormente disse que queria fazer. Infelizmente não consegui terminar aquela que estava a ser a minha melhor corrida.”

Depois de ter feito um fim-de-semana com muitas aprendizagens e com resultados muito positivos, o piloto almadense retira, naturalmente, aspectos positivos deste GP de Jerez de La Frontera: “Retiro coisas muito positivas, tive a maior parte da corrida frente na do campeão do mundo e de pilotos muito experientes como Tomas Luthi. Prefiro cair a tentar algo bom do que cair em 20º ou em 16º.”

Na quarta etapa do Campeonato do Mundo de Moto GP, foram muitos os portugueses que rumaram até Jerez de La Frontera para apoiar o jovem piloto luso: “Não tenho palavras para descrever a gratidão que tenho por todos os portugueses que vieram até aqui para me apoiar. Vi imensas bandeiras portuguesas. Diria, quase com toda a certeza, que em cada bancada estava uma bandeira. Muito obrigado a todos os portugueses e espero em breve poder brindá-los com um bom resultado.” remata o piloto luso.

O próximo GP será daqui por duas semanas (8 de Maio) no circuito francês de Le Mans.

Artigo anteriorIvo Lopes e Tiago Magalhães no CEV
Próximo artigoExtreme Valongo: Vitória espanhola