Pelo prazer de superar desafios

Portimão recebeu grande festa final do 8.º Portugal de Lés-a-Lés Off-Road

3013

De Penafiel a Portimão foram 906,5 quilómetros de aventura e camaradagem, de descoberta e superação, de prazer de condução e boa disposição. Vivências que tornam cada final do Portugal de Lés-a-Lés Off-Road num momento de sensações fortes e sentimentos contraditórios. A chegada ao panque final, no término da grande aventura gizada pela Federação de Motociclismo de Portugal é, para todos, um instante de festa. Que, passados poucos minutos, se transforma numa sensação de estranho vazio, sabendo que ainda falta um ano até à próxima edição. É assim desde há 8 anos e, em 2023, repetiu-se o filme, com protagonistas que enfrentaram calor e pó, algum frio matinal e até umas quantas gotas de chuva, os pisos de pedra nas serras do norte e centro do País e os mais rápidos troços arenosos do Ribatejo, até ao emaranhado de caminhos da serra algarvia.

Um desafio à medida da experiência de condução, do espírito, da idade e da máquina utilizada. Que, recorde-se, havia-as de todos os tamanhos e cilindradas, cores e feitios. Das maiores e mais modernas trail do mercado às improváveis scooters, passando por alguns modelos de pequena cilindrada que deixaram marcas na história no motociclismo nacional. A Yamaha DT50 LC é, seguramente, uma delas, bem conhecida de milhares e milhares de portugueses que com ela se estrearam nas lides das duas rodas. Não foi o caso de Rodolfo Sampaio que, depois de fazer o Lés-a-Lés ‘de estrada’ com uma nada apropriada Honda Z50 com montagem tipo ‘chopper’ decidiu manter a fasquia bem elevada e estrear uma DT50 na variante Off-Road. “Uma moto completamente desconhecida, que nunca tinha conduzido antes, para uma aventura super divertida e que não ofereceu o mínimo problema. Foi só meter gasolina, adicionar óleo ao autolube e… já está”.

Uma saudável loucura para o ex-piloto de enduro e raides cuja única preocupação foi “cortar um pouco de gás nas zonas mais degradadas para não estragar a suspensão da motinha. É que sempre eram 110 quilos aos saltos em cima dela. Eram, à partida! Porque agora, com as vezes que tive que dar ao pé nas maiores subidas, devo ter perdido algum peso”. Preocupado em descobrir o paradeiro da equipa de terapeutas que acompanha o evento, “para tentar disfarçar as mossas num corpinho de 61 anos”, garantiu que “a Yamaha DT50 LC está pronta para ir a rodar até casa, mas… o piloto vai deixá-la descansar”

 

Ondas de sorrisos à beira-mar

 

 

Sentimento unânime de excelente disposição que reforçou o ambiente de festa criado na marginal portimonense, ali onde o rio Arade cumpre os últimos metros antes de mergulhar no oceano Atlântico. A derradeira etapa, desde Estremoz, ofereceu 314 quilómetros de belíssimas paisagens, das intermináveis planícies alentejanas, com pistas rápidas entre sobreiros e muitos olivais de cultura intensiva, à variedade de caminhos na serra algarvia, dos trilhos mais enduristas aos mais largos estradões. Palcos de grande diversão para os mais de 300 motociclistas cuja boa disposição nem era abalada por alguns problemas técnicos, como furos ou correntes partidas.

Incidentes que eram, acima de tudo, mais um motivo de conversa nas paragens nos oásis onde as bolas de Berlim, o café ou as águas, servidas com muita simpatia pelo staff da Honda num belíssimo spot nas margens da albufeira da barragem de Odivelas, ou os ovos mexidos, bifanas, fruta e sopa de agrião no Oásis da FMP, iam ajudando a repor as energias. Que bem precisas era para alguns participantes, menos habituados a tamanhas exigências físicas.

Foi o caso de Madalena Casanova, a mais jovem participante, que, aos 18 anos, cumpriu o sonho de fazer o Portugal de Lés-a-Lés Off-Road depois de, em julho, ter-se estrado com sucesso na variante asfáltica da aventureira travessia. O sorriso esfuziante confirmava o sentimento de quem adorou “este Lés-a-Lés, mais duro que o de estrada, é certo, mas que também dá muito mais gozo em termos de superação, em termos de conquista”. Aos comandos de uma Yamaha DT125 LC, que ‘nasceu’ antes dela, Madalena só lamenta “não ter feito uma melhor preparação, tanto física como da moto, que permitiria rolar mais solta e com maior diversão. Mas o importante foi mesmo acabar com a moto direitinha. Bem… mais ou menos! É que foi preciso reapertar algumas peças sobretudo depois de algumas pequenas quedas, a uma média de duas por dia, e todas para o lado direito. Pelo menos os estragos ficaram concentrados”. E, entre sorrisos, confirmou que a DT ficou em condições de cumprir o resto do percurso, a rolar por estrada até Lisboa, depois de ter cumprido a ligação até Penafiel.

Motivo para sentidos abraços de uma aventureira ‘de mão cheia’, numa festa em jeito de despedida, animada pelos risos de alguns dos petizes que, umas horas antes, tinham descoberto que os motociclistas são amigos do ambiente. Crianças da Escola Básica da Coca Maravilhas que plantaram um pinheiro manso no espaço de recreio e aprenderam como tratar de uma árvore que aporta grandes vantagens à floresta lusitana. Uma ‘aula’ dada por elementos da Comissão de Mototurismo da FMP com o apoio de docentes, membros da Câmara Municipal de Portimão e do Moto Clube de Portimão, integrada no âmbito da 5.ª campanha Reflorestar Portugal de Lés-a-Lés. E que, de forma simples e apoiada numa banda desenhada criada exclusivamente para o efeito, explicou a importância das espécies autóctones na revitalização da floresta.

Artigo anteriorMundial de Enduro em Santo André para corôar campeões
Próximo artigoMini Velocidade acelera em Santo André