Estoril ‘desconfinou’ motociclismo

O Circuito do Estoril foi o 'palco' do regresso do motociclismo à actividade.

961

Com todas as medidas de segurança e restrições impostas no acesso ao seu interior o Circuito do Estoril tornou-se este fim‑de‑semana no primeiro traçado europeu a receber uma competição de desporto motorizado na Europa após o confinamento devido à pandemia do Covid-19. Sem púbico nas bancadas e no ‘paddock’ o arranque do campeonato ficou igualmente marcado por alguma anormal tranquilidade fruto da ausência de pessoas a acompanhar um fim‑de‑semana onde as temperaturas amenas foram dominantes e ajudaram a excelentes e discutidas corridas.

Com 84 pilotos em competição os 4.182 metros do asfalto da pista que recebeu o mundial de MotoGP até 2012 ‘fervilhou’ de acção ao longo da jornada que começou de forma oficial logo após o almoço de Sábado, depois da manhã ter sido ‘reservada’ a treinos privados. Treinos livres e cronometrados ‘desenharam’ as primeira grelhas de partida da temporada e do regresso das corridas ao ‘tapete negro’ e na classe maior – as Superbike – foram notadas as ausências de Rui Marto – a sua equipa não conseguiu ter as motos prontas para o arranque da época por força de atrasos na chegada de componentes para a moto a utilizar nesta temporada, o mesmo se passando com Tiago Magalhães que viu o motor sua moto ceder ainda nos treinos. A preparar o seu regresso ao mundial MotoGP Miguel Oliveira acompanhou os pilotos da categoria maior e foi mesmo ele o mais rápido no final da qualificação, assegurando assim a primeira ‘pole’ no CNV 2020 ao lado de Ivo Lopes e Pedro Nuno.

No arranque para as 15 voltas de corrida foi sem surpresa que Oliveira assumiu a primeira posição e nas primeiras duas voltas contou com a companhia de Ivo Lopes. Mas o campeão nacional sofreu uma queda na terceira volta – entre as Curvas 2 e 3 – deixando Oliveira sozinho na frente do pelotão até ao final da dezena e meia de passagens ao circuito, com este a cruzar a linha de meta na frente de Pedro Nuno e André Pires. Tiago Cleto foi o quarto classificado face a Romeu Leite e ao regressado Tiago Dias que após um ‘intervalo’ de oito anos está de volta ao campeonato nacional de velocidade.

Já este Domingo Miguel Oliveira voltou a repetir a vitória do primeiro dia, mas desta feita para terminar na frente de Ivo Lopes e Pedro Nuno. Após o arranque Oliveira ‘descolou’ e foi a ‘solo’ que desenhou nova vitória numa corrida que terminou mais cedo depois de a três voltas do final o motor da moto de Tiago Dias ‘ceder’ deixando óleo na trajectória de entrada na Curva 1. Ivo Lopes acabou por cair na mesma, juntamente com outros três pilotos, mas foi classificado na posição intermédia de pódio num arranque de campeonato onde Miguel Oliveira tomou de assalto o comando da classificação geral da categoria. Fora do pódio ficaram André Pires e Romeu Leite.

Muito animadas foram as classes reservadas às máquinas de menor cilindrada. Revelaram neste primeiro confronto do ano uma maior representatividade, com 12 pilotos nas 300 e dez nas Moto5, com diversos níveis de experiência e muita vontade de evoluir. Nas Supersport 300 a experiência e velocidade de Pedro Fragoso valeu a vitória nesta primeira ronda do campeonato. Detentor do ceptro o piloto de Vila Nova de Santo André comandou todas as 14 voltas realizadas, fechando a corrida na frente de Dinis Borges e Tomás Alonso, envolvidos numa animada luta que fechou com apenas 36 milésimas a separar ambos os pilotos. Nas Pré-Moto3, onde não esteve o campeão nacional, Kiko Maria, Gonçalo RIbeiro estava já com a vitórias na mãos quando a três voltas do final viu a corrente de transmissão da sua moto ceder, ficando a primeira posição nas mãos de Ivan Hernandez, com Daniel Bento a ser segundo.

No igualmente animado pelotão das Moto5 o vencedor foi sem contestação Martim Marco. O piloto de Coimbra venceu com margem de conforto face a Manuel Branquinho e Pedro Matos. Nota para os vários estreantes nesta categoria, alguns deles a fazerem também a sua estreia em circuitos pois até aqui competiram sempre em kartódromos. Nas 85GP, ou Moto4 a vitória foi para o estreante Afonso Almeida, piloto que descobiu igualmente o traçado do Circuito do Estoril. O jovem da Charneca da Caparida bateu Naama Rosa, que esteve igualmente em pista aos comandos de uma moto da categoria.

A prova de abertura do campeonato marcou igualmente a estreia do novo Troféu Tuono Cup, que utiliza as potentes Aprilia Tuono como ‘base competitiva’. Nesta iniciativa estiveram seis pilotos presentes e na primeira das duas corridas realizadas foi Paulo Vicente o vencedor na frente de Duarte Amaral e Anselmo Vilardebo. Na segunda corrida foi Miguel Vilares o vencedor ao bater Duarte Amaral e Pavel Bogdanov. Alguns pilotos desta nova Tuono Cup alinharam igualmente na ZCup. Miguel Vilares foi o melhor na primeira corrida com as ‘naked’ japonesas ao cruzar a linha de meta na frente de Luis Franco e Miguel Sousa. No segundo duelo do pelotão das quatro cilindros japonesas seria Paulo Vicente o vencedor ao bater Luis Franco e Ricardo Pires.

Menos representado está o pelotão do Troféu ENI Taça Luis Carreira que na primeira corrida – realizada no Sábado – João Curva venceu na Open e Pedro Dias nas SBK, vitórias essas que se repetiram no Domingo. Arranque de ano igualmente para os pilotos da Copa Motoval onde Henrique Gouveia e Christophe Lajouanie foram os vencedores respectivamente na classe 1 e classe 2. Confirmando os bons resultados de Sábado, foram novamente ambos os vencedores nas classes na segunda corrida realizada já este Domingo.

O motociclismo regressou assim à actividade, com aprovação total em termos de regras de distanciamento e protecção, ficando perfeitamente claro que o motociclismo está preparado para realizar as suas provas desportivas de acordo com as novas regras. Este fim‑de‑semana o Motor Clube do Estoril, a Câmara Municipal de Cascais, o Circuito do Estoril e a Federação de Motociclismo de Portugal promoveram igualmente uma acção de testes voluntários ao Covid-19, acção essa que conduziu à realização de cerca de duas centenas de testes a muitos daqueles que estiveram no ‘paddock’ e na organização da competição.