Iniciação a crescer no CNV

O arranque da época de velocidade está marcado por uma maior presença de pilotos jovens em pista.

313

Decorridas as duas primeiras provas do campeonato nacional de velocidade 2020, com 79 pilotos na abertura no Estoril e 89 na segunda paragem do calendário no passado fim‑de‑semana no Autódromo Internacional do Algarve, vários são as análises que se podem fazer, sendo no entanto claro que começa a surgir ‘sangue novo’ no campeonato fruto da aposta na iniciação começada em 2017 e que ‘colhe’ frutos neste arranque de década.

No seu terceiro ano de existência a Supersport 300, uma das classes mais populares a nível mundial na actualidade e que tem mais de meia centena de pilotos no campeonato do mundo, cresceu de forma notada para mais do dobro dos pilotos na época iniciada neste mês de Junho. Dos seis regulares em 2019 as duas primeiras provas do ano contaram com 13 pilotos, sendo seguida pelas Moto 5, também estas no seu terceiro ano e a revelarem neste início de época uma dezena de pilotos em pista, aqui seguindo uma tendência que se começou a notar já no passado ano.

Mas globalmente as duas primeiras provas do ano tiveram menos pilotos que as provas homólogas em 2019, 79 pilotos no Estoril face aos 84 de 2019, 89 em Portimão face ao 95 do passado ano, sendo notada a diferença nas Superbike, a classe rainha, que teve 14 pilotos em ambas as rondas, menos que em 2019 mas com algumas ausências que deverão ser colmatadas já na próxima visita ao Estoril, onde se espera igualmente por mais pilotos nas Pré-Moto3, com metade dos pilotos em pista face a 2019, o mesmo se passando com as 85GP/Moto4, ausências essas que não podem ser explicadas pela maior representatividade nas 300 pois os pilotos que estão na classe ou já lá estavam anteriormente ou chegaram em 2020.

A ronda de Portimão foi também clara quanto à evolução dos pilotos, com Ivo Lopes a conseguir um novo recorde na ‘montanha-russa’ ao rodar em 1.45:681 na segunda volta  da segunda corrida, um registo que o torna no piloto do CNV a cumprir a volta mais rápida de sempre aos 4592 metros do traçado inaugurado em 2008. Excelentes indicadores que antecipam mais um bom ano de velocidade em Portugal, com muito sangue novo no asfalto e uma média de idades cada vez mais baixa.

Errata: por lapso na comunicação acerca da prova de Portimão do CNV no passado fim‑de‑semana foi referido que João Curva tinha sido desclassificado na segunda corrida do Troféu ENI – TLC, o que não foi a realidade pois o piloto ficou sem gasolina na derradeira volta das cinco realizadas e por isso não terminou a corridas, depois de ter discutido a primeira posição até ao final. Ao piloto e equipa as nossas desculpas e devida reposição da verdade.