Dakar fechou primeira semana

Joaquim Rodrigues fecha a primeira semana do Dakar como o melhor piloto português.

145

Originalmente desenhada com 421 quilómetros de extensão a sexta etapa do Dakar 2020 teve como ponto de partida e chegada a capital saudita, Riyadh, marcando igualmente o final da primeira semana de competição. Um dia depois de Danilo Petrucci ter feito história a segurança voltou a estar na linha da frente e face ao estado de deterioração das pistas percorridas no dia anterior pela caravana dos automóveis, a especial contou com apenas uma centena de quilómetros, aqueles que decidiram a classificação do dia.

Na cabeça do pelotão foi o sempre ‘irrequieto’ Daniel Sanders assinou mais uma vitória na frente de Sam Sunderland e Matthias Walkner num dia demasiado curto para que verdadeiras diferenças fossem realmente ‘feitas’ entre os pilotos. Joaquim Rodrigues foi o melhor dos pilotos lusos e fechou a especial na décima posição, sendo agora o 18º oitavo na classificação geral. António Maio reagiu bem á queda do dia anterior mas uma penalização de quinze minutos atirou o campeão nacional TT para uma nada merecida 65ª posição na especial depois de ter sido o 20º no momento em que o cronómetro parou.

Rui Gonçalves continua igualmente em modo de recuperação e fecha a primeira semana na 33ª posição após um dia onde Mário Patrão ganhou igualmente posições, sendo agora o 54º. Numa ‘armada lusa’ que não registou qualquer baixa até ao momento Alexandre Azinhais ocupa no final desta primeira meta do Dakar a 70ª posição, Arcélio Couto segurou o 81º posto que ocupava no final do dia anterior, sendo o melhor dos pilotos da equipa de Pedro Bianchi Prata, o 102º junto a Paulo Oliveira, o 105º entre os 137 pilotos que estão ainda em prova.

Depois de seis dia de competição o Dakar cumpre amanhã o seu dia de descanso, regressando depois ás pistas para mais seis etapas que serão com toda a certeza muito discutidas.

António Maio

‘A prova foi interrompida no primeiro reabastecimento porque o percurso estava muito perigoso. Ontem os carros e os camiões fizeram esta mesma especial e ficou tudo cheio de buracos e pedra por todo o lado. Os 100 quilómetros que fizemos foram muito difíceis e perigosos e por isso cancelaram o resto da etapa para as motos. Eu estou bem, não cai e vim sempre tranquilo. Acabei por baixar a velocidade porque achei o caminho demasiado perigoso e não quis arriscar. Metade deste Dakar está feito. Amanhã é dia de descanso e vou agora aproveitar para recuperar as energias.’

Rui Gonçalves

‘Inicialmente a sexta etapa estava prevista ter mais de 400 quilómetros cronometrados mas ao quilómetro 100 a corrida foi interrompida por questões de segurança.
A verdade é que o terreno estava bastante degradado com muitos buracos e regos devido aos carros e camiões terem feito essa mesma especial no dia anterior. Alguns dos perigos não estavam assinalados no ‘roadbook’ e por isso era necessário rolar com muita precaução e por vezes sair da linha principal.  Posteriormente à etapa ter sido neutralizada regressamos ao ‘bivouac’ pelo alcatrão e assim terminámos a primeira semana do Dakar. O resultado de hoje corresponde ao lugar que me encontrava ao quilómetro 100, acabando o dia em 17º.
Amanhã é o dia de descanso, é tempo de recuperar energias para voltarmos para mais 6 dias de prova até ao final do Rally.’

Classificação após Etapa 6

18º Joaquim Rodrigues Jr. (Hero) a  – 1h05m05s

25º António Maio (Yamaha) a 1h43m33s

33º Rui Gonçalves (Sherco) a 2h20m08s

54º Mário Patrão (KTM) a 5h38m55s

70º Alexandre Azinhais (KTM) a 7h33m14s

81º Arcélio Couto (Honda) a 8h32m57s

102º Bianchi Prata (Honda) a 11h12m51s

105º Paulo Oliveira (Honda) a 11h48m11s